Combate ao Colesterol: saiba como identificar a doença silenciosa

Segundo o Ministério da Saúde, a estimativa é que quatro a cada 10 brasileiros sofram com problemas de colesterol alto. Além disso, uma pesquisa com participação da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) revelou que Manaus viu crescer em 132% o número de óbitos por causas cardiovasculares só em 2020. A comparação é com o ano anterior e também reflete os efeitos da pandemia de Covid-19. Ao acumular gordura nas artérias, a passagem do sangue fica mais difícil, podendo causar diversas doenças. O perigo é ainda maior se não avaliado, visto que o colesterol alto é considerado assintomático na maioria dos casos.

Por esse motivo é que em 8 de agosto é comemorado o Dia do Combate ao Colesterol. A data destaca a importância de conscientizar a população a respeito da condição, principalmente da necessidade de consultas médicas regulares e exames de rotina. Em excesso, o colesterol pode causar infarto agudo do miocárdio, Acidente Vascular Cerebral (AVC), insuficiência cardíaca, dentre outras sequelas.

“Existem dois tipos de colesterol. O primeiro é chamado de HDL, considerado bom para o organismo. Ele atua na produção de hormônios sexuais, da vitamina D e até no combate a inflamações. No entanto, existe também o colesterol do tipo LDL. Esse é tido como ruim, tem baixa densidade, por isso, pode acumular nas paredes das artérias, causando seu entupimento”, explica a endocrinologista Larissa Figueiredo, consultora do Sabin Medicina Diagnóstica.

Diagnóstico

O colesterol alto não provoca sintomas. No entanto, cansaço, dor de cabeça, falta de ar, dor no peito e palpitações podem estar associadas às doenças cardiovasculares. Em caso de suspeita, a orientação é procurar um especialista.

“A maneira mais comum para identificar colesterol alto é através de exame de sangue indicado por profissional habilitado. Neste teste, é verificada a quantidade de colesterol total (perfil lipídico) e de triglicérides no sangue”, informa a endocrinologista.

Não é necessário jejum para a realização do exame. O laboratório orienta apenas que sejam feitas refeições leves nas horas anteriores à coleta. Em casos mais específicos, porém, o médico ainda pode solicitar jejum.

Para que os resultados sejam mais próximos ao real estado de saúde, é importante que não haja ingestão de bebida alcoólica nos três dias antecedentes à coleta. É necessário, também, que você mantenha a rotina de alimentação atual, sem dietas ou exageros nas refeições.

Movimento Coração da Mulher

Doenças cardiovasculares são a principal causa de óbito entre as mulheres. Esse problema já atinge um terço de todas as mortes de mulheres no mundo, conforme aponta estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde. Isso corresponde a 8,5 milhões de mortes por ano e mais de 23 mil por dia. Para alertar a população feminina sobre esse problema, os Grupos Fleury e Sabin assumiram o compromisso de unir forças para lançar essa causa de saúde pública com o movimento social “Coração da Mulher – Cuidado a cada batimento”, que busca conscientizar sobre prevenção e adoção de hábitos saudáveis para reduzir problemas cardíacos e mortalidade entre as mulheres.

Fotos: Freepik  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *